Cultura

Trabalho da Gibiteca é premiado com Troféu Angelo Agostini

A premiação é a mais antiga e, junto com o HQ MIX, é o principal prêmio do País no segmento

30 JAN 2018 Por Da Reportagem 17h:46
Fábio Tatsubô, foi escolhido como um dos premiados do 34º Troféu Angelo Agostini na categoria Jayme Cortez Fábio Tatsubô, foi escolhido como um dos premiados do 34º Troféu Angelo Agostini na categoria Jayme Cortez / Raimundo Rosa/PMS

O curador da Gibiteca de Santos entre os anos de 2013 e 2017, Fábio Tatsubô, foi escolhido como um dos premiados do 34º Troféu Angelo Agostini na categoria Jayme Cortez, realizado pela Associação dos Quadrinistas e Cartunistas do Estado de São Paulo.

A premiação é a mais antiga e, junto com o HQ MIX, é o principal prêmio do País no segmento. Por meio de votação popular, os premiados recebem reconhecimento nacional como destaques do mercado de quadrinhos em 2017.

Ao todo, foram escolhidos 12 profissionais em nove categorias. A entrega dos troféus acontecerá dia 3 de fevereiro, a partir das 13h, no Auditório da Biblioteca Latino-Americana do Memorial da América Latina (Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda, São Paulo). O evento tem entrada franca.

Para o homenageado santista, o prêmio é um estímulo para o desenvolvimento de trabalhos similares em todo o Brasil. “Muito mais que um local onde se preserva a memória gráfica, o equipamento é um polo irradiador, que integra quem quer aprender a desenhar e quem produz quadrinhos profissionalmente. Além disso, valoriza os artistas da região e gera oportunidades para a troca de informações com autores consagrados”, explica Tatsubô.

Além dos premiados, a cerimônia contará ainda com a presença do desenhista uruguaio Diego Jourdan, no debate principal, exposição “Historietas Uruguaias no Memorial”, vendas de HQs, caricaturas ao vivo e lançamentos de livros.

O premiado

Fábio Tatsubô é quadrinista desde 1991 e produz materiais de cunho histórico e institucional. Recebeu, em 2000, o Troféu HQ MIX com o projeto 500 Anos de Brasil em Quadrinhos. Atuou como subeditor da revista Mangá Kids.

Publicou diversas revistas como Darumá Zine, Receptação é Crime!, Mar Doce Mar (lançado em Santarém/Portugal), Okinawa Te - Mãos de Okinawa (lançado em Okinawa/Japão), Turma da Cidadania, entre outras.

Coordenou a Gibiteca Bigail, de São Vicente, no período de 2000 a 2006, e a Gibiteca Marcel Rodrigues Paes, em Santos, de 2013 a 2017, realizando mais de 800 atividades neste período.

O local é referência para quem consome e produz quadrinhos na região, e oferta oficinas de iniciação, aperfeiçoamento, integrando nomes consagrados das HQs no País como Laerte, Ivan Reis, Sidney Gusman com os autores da região.

A Gibiteca

A Gibiteca Marcel Rodrigues Paes foi inaugurada em 12 de dezembro de 1992. Em 25 anos de funcionamento, foi polo difusor de hábito da leitura, iniciação e aperfeiçoamento artístico, de integração com autores consagrados e independentes, de exposições, mostras e debates; de tardes de jogos de RPG e games; de concursos de cosplay e exibições de filmes e seriados.

De 2013 a 2017, realizou mais de 800 atividades, expandiu horizontes com o Baú da Gibiteca, que criou pequenos núcleos em áreas de pouco ou nenhum acesso aos quadrinhos como a Zona Noroeste, Morros e Área Continental de Santos. O baú chegou a Santa Casa de Santos pelas mãos de cosplayers.

Deixe seu Comentário

Leia Também

©2018 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma